Exatas UFPR

Secretaria de projetos

Roda de Conversa

 

O “Rocahs – Roda de Conversa sobre Altas Habilidades e Superdotação” é um evento promovido pelo Nepahs/Prograd (Núcleo de Estudos e Práticas em Altas Habilidades e Superdotação) com a intenção de promover troca de experiências e diálogos a respeito do assunto. É aberto a todos que queiram participar e não é necessário se inscrever.

O evento ocorrerá no dia 16/10 às 17h30 na Sala PA02, no prédio novo do Setor de Exatas – Centro Politécnico.

 

Professora de Química, Elisa Souza Orth, recebe prêmio que homenageia mulheres na ciência

 

A professora Elisa Souza Orth, do Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná (UFPR), é a grande vencedora da segunda edição do 2019 Brazilian Women in Chemistry and Related Sciences awards na categoria Jovem Cientista. Ela será homenageada durante um simpósio e cerimônia de premiação a ser realizada no dia 16 de outubro de 2019, sediada pela American Chemical Society em São Paulo.

 

Os prêmios são patrocinados pela CAS, uma divisão da American Chemical Society, e Chemical & Engineering News , com o apoio da Brazilian Chemical Society e da ACS e visam promover a igualdade de gênero nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática no Brasil, bem como desenvolver uma perspectiva mais avançada na compreensão do impacto da diversidade na pesquisa científica e no campo da química.

AUDITÓRIO LOTADO EM PALESTRA COM PROF. RICARDO GALVÃO

 

Ricardo Galvão, professor Titular do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física da USP, esteve no Setor de Ciências Exatas, em 26 de setembro, para apresentação da palestra “Monitoramento do desmatamento e degradação da Floresta Amazônica”.

 

O evento teve início e término com auditório lotado e foi transmitido ao vivo pela Internet, através do site do C3SL (Centro de Computação e Software Livre). Mais de 400 pessoas assisitiram a palestra online.

 

Prof. Ricardo apresentou dados sobre os desmatamentos na Floresta Amazônica e gráficos sobre a quantidade de floresta degradada através do tempo.

 

De acordo com Galvão, que também foi diretor do INPE até início de agosto de 2019, o INPE trabalha com os satélites de monitoramento das áreas da floresta para coleta de imagens. Depois os sistemas computacionais fazem uso de Inteligência Artificial e Redes Neurais para a geração de resultado dos dados coletados pelos satélites.

 

O professor vê com preoucupação a política federal atual, a qual questiona dados produzidos através da ciência. O ex-diretor do INPE defende a credibilidade das informações fornecidas para o governo e demonstrou, através de matéria publicada na mídia, que os dados produzidos pelo INPE foram também confirmados pela NASA para o mesmo período.

 

Ao final da apresentação o Prof. Ricardo foi longamente ovacionado pelo auditório lotado.

 

 

O eventou foi apoiado pelo Setor de Ciências Exatas e faz parte dos Seminário do Programa de Pós-Graduação em Física.

 

A palestra, na íntegra, está disponível em: cast.c3sl.ufpr.br

 

PALESTRA COM PROFESSOR RICARDO GALVÃO

 

No dia 26 de setembro, às 15h30 no auditório da Química, acontecerá o seminário de Pós-graduação em Física com o palestrante convidado Professor Ricardo Galvão, onde o tema será “O INPE e o Monitoramento dos Biomas Brasileiros”. Físico e engenheiro de telecomunicações, Ricardo foi diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), presidente da Sociedade Brasileira de Física, e diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Ambientais (INPE). Desde 1983, é professor titular e pesquisador na Universidade de São Paulo (USP).

Conforme tema já mencionado, a palestra terá como foco abordar as principais atividades do INPE, que é um instituto onde são conduzidas pesquisas sobre o espaço, meteorologia, mudanças climáticas, além de monitoramentos constantes do desmatamento amazônico. Também será feito um relato sobre a recente exoneração do professor Ricardo da diretoria do INPE, devido aos dados divulgados por este instituto sobre o desmatamento na Amazônia.

 

A palestra será transmitida pelo C3SL no  endereço: cast.c3sl.ufpr.br

 

por Rodrigo Rafael Pereira

LINK PARA AS ELEIÇÕES

Dias 09/09/2019 (Início às 7:00) e 10/09/2019 (Término às 19:00), ocorrerá a eschela da Chefia do Departamento de Expressão Gráfica e para Representantes Docentes do Setor de Ciências Exatas no CEPE.

  • os votos serão recebidos em plataforma online (a distância), sob responsabilidade do Centro de Computação Eletrônica da UFPR;
  • nos dias estabelecidos para o pleito, os(as) aptos(as) a votar deverão acessar o endereço da Eleição, identificando-se a partir do número de CPF e Data de Nascimento;
  • na plataforma, os(as) votantes deverão selecionar os Nomes da chapa inscrita, ou Branco ou Nulo e clicar em Enviar”;
  • o sistema permitirá apenas um voto por usuário, sem possibilidade de novo acesso depois do registro da votação;
  • o voto é secreto, não havendo possibilidade de identificação dos votantes e suas escolhas;
  • a apuração dos votos e relatório final da eleição será feita pela Comissão Eleitoral, com apoio do CCE, no dia 11/09/2019;
  • caso ocorra algum problema, o mesmo poderá ser relatado ao e-mail webdesign@ufpr.br. Por favor, informe seu CPF e Data de Nascimento.

LINKS para eleição:

 

Somos todos CNPq!

O Setor de Ciências Exatas da UFPR tem acompanhado com muita preocupação a atual situação financeira pela qual passa o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O CNPq precisa de R$330 milhões para que possa cumprir os seus compromissos em 2019, que envolvem principalmente o pagamento de bolsas de iniciação científica, mestrado e doutorado. No caso deste repasse não ocorrer, o pagamento destas bolsas será suspenso a partir do final de setembro.
O Setor de Ciências Exatas é a favor da recomposição imediata do orçamento do CNPq. Vários professores que hoje atuam nos departamentos que compõem o nosso setor construíram suas carreiras com bolsas do CNPq e, hoje, têm seus projetos de pesquisa financiados principalmente com verba desse órgão.

Os estudantes de iniciação científica, mestrado e doutorado que são bolsistas do CNPq representam o futuro da ciência brasileira e dependem desta verba para a sua adequada formação e sustento. A suspensão do pagamento de bolsas e do financiamento de projetos de pesquisa levará à paralisação da ciência brasileira e a um atraso irreparável na pesquisa e pós-graduação brasileiras.

Somos todos CNPq!

CONHECER PARA APRIMORAR

A pesquisa tem como principal objetivo aferir como as disciplinas apoiaram o desenvolvimento das competências necessárias para formação profissional e cidadã dos estudantes. A identidade do aluno é utilizada pelo sistema de avaliação apenas para a escolha das disciplinas cursadas. Dessa forma, a avaliação é anônima e os resultados obtidos são consolidados por Coordenações, Departamentos e Setores Acadêmicos para o planejamento de ações de melhoria dos cursos.

Alunos de graduação e educação profissional devem participar avaliando as disciplinas do primeiro semestre de 2019.

A avaliação está disponível de 19 de agosto a 22 de setembro de 2019.

Acesse aqui

Para mais informações entre em contato pelo e-mail: cpa@ufpr.br ou avaliacao@ufpr.br

REJEIÇÃO AO PROGRAMA FUTURE-SE

Declaração do setor de ciências exatas da UFPR Sobre o projeto “Future-se”

O Setor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), reunido em assembleia no dia 2 de agosto de 2019, discutiu publicamente o chamado “Projeto Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras – Future-se”, proposto em julho de 2019 pelo Ministério da Educação (MEC) e submetido a avaliação pública em meio eletrônico (https://isurvey.cgee.org.br/future-se/).

Após ampla participação da comunidade setorial, de diversas entidades de representação e de membros de outros setores da Universidade, considerou-se importante consignar no presente documento as seguintes avaliações como representativas da comunidade do Setor de Ciências Exatas da UFPR.

Antes de mais nada: as universidades federais são referências intelectuais, científicas, sociais e políticas das cidades em que se encontram; isso é válido tanto para as cidades-sede (Curitiba, no caso da UFPR) quanto para as cidades que têm campi avançados das universidades (também no caso da UFPR: Jandaia do Sul, Matinhos, Palotina, Pontal do Paraná e Toledo).

A UFPR, desde sua fundação em 1912, teve muitas fases; mas em todos os períodos, ela sempre foi um símbolo da cidade de Curitiba e, mais do que isso, o instrumento que o estado do Paraná criou para seu desenvolvimento social, econômico, científico, intelectual e político. Esse legado não pode ser desprezado ou destruído: ao contrário, tem que ser preservado e ampliado. Em particular, a federalização da UFPR, em 1951, foi uma conquista para a instituição, pois foi um importante reconhecimento acadêmico e político para ela – e, não menos importante, estabeleceu um orçamento robusto e constante para a universidade, garantindo sua permanência e sua expansão ao longo do tempo.

De maneira sintética, as características do projeto “Future-se” são as seguintes: (1) ele seria uma opção para ampliar a autonomia administrativa, orçamentária e pedagógica das IFES, (2) via instituições empreendedoras e inovadoras; (3) as IFES aderentes atuarão transformando-se em organizações sociais (OS), isto é, entidades privadas, com contratos de gestão, (4) cujo financiamento ocorrerá (4.1) via fundos de investimento imobiliários, (4.2) venda da marca comercial de cada IFES e (4.3) busca ativa de investimentos variados; finalmente, (5) cada IFES tem que se adequar a critérios de governança.

As características acima são apresentadas no projeto do “Future-se” com variados graus de detalhamento. Essa variação permite que alguns aspectos sejam tratados sem ambiguidade e em minúcias (em particular, o fim das IFES como instituições públicas de ensino, pesquisa e extensão e também o ato formal de estabelecimento de contratos de gestão), enquanto muitos outros sejam tão somente citados, gerando as mais amplas e variadas dúvidas. Nesse sentido, entre as dúvidas, sem esgotar as dificuldades encontradas no projeto, podemos citar que (1) não se indica se as IFES (aderentes ou não) continuarão tendo o financiamento público integral de suas atividades, via orçamento da União; (2) não se fala sobre o que acontecerá com as IFES que não aderirem ao “Future-se” (em termos de orçamento público e de autonomia administrativa, orçamentária e pedagógica); (3) não se fala sobre o que acontecerá com a IFES que, por qualquer motivo, após um período qualquer de teste do projeto, decida reverter à situação jurídica anterior (como entidade de direito público); (4) não se define com clareza qual o âmbito de cada IFES que se transformará uma OS (a IFES em sua totalidade, cada faculdade, cada departamento etc.); (5) não se define se será possível a uma determinada faculdade (ou um departamento etc.) sair da OS para ter existência à parte (como entidade de direito privado ou público).

Em outras palavras, o projeto “Future-se” acaba revelando-se bastante vago a respeito de tópicos centrais. As IFES têm escritórios internos e fundações de direito privado dedicados à inovação e ao relacionamento com o mercado, resultando em inúmeros convênios e serviços prestados aos empresários. Esses relacionamentos, além disso, ocorrem em variados âmbitos: estágios didático-profissionais para os estudantes ou serviços e pesquisas tecnológicos, técnicos e sociais prestados para o setor produtivo. De qualquer maneira, importa notar que, historicamente, embora haja convênios da iniciativa privada com as IFES, esses convênios resultam na entrada de relativamente poucos recursos para as instituições; inversamente, o grande patrocinador externo de pesquisas nas universidades é o próprio governo, por meio de empresas públicas, estatais e economia mista. Aliás, isso repete no Brasil o que se vê também nos Estados Unidos e na Europa. Além disso, os convênios que a iniciativa privada geralmente celebra com as IFES caracterizam-se pela busca de soluções tecnológicas específicas, o que é legítimo e necessário, mas que passa longe do investimento em pesquisas básicas ou em áreas que são mais dificilmente objeto de interesse comercial (nas Ciências Naturais ou nas Ciências Humanas). Finalmente, vale observar que os recursos que as universidades obtêm, por meio de captação direta do setor privado, têm sido cada vez mais retidos pelo MEC, em vez de serem revertidos para as instituições.

No que se refere à governança, as IFES são financiadas com recursos públicos e, portanto, sempre se impôs o imperativo da contínua busca de maiores eficácia e eficiência, transparência e respeito ao bem comum. Isso se verifica na prática por meio de constantes fiscalizações, auditorias, avaliações internas e externas etc., obedecendo aos melhores parâmetros nacionais e internacionais.

As IFES não se recusam a discutir seus problemas e as suas possíveis soluções. As instituições apresentam problemas; não há segredo a respeito disso. Eles são conhecidos da sociedade civil, do governo e das próprias IFES; muitos são antigos, outros são novos, mas todos exigem solução, alguns com grande urgência. O “Future-se”, na forma que se apresenta, não é solução para esses problemas: ele apenas procura desfazer-se desses problemas, ao tirar as IFES da estrutura do Estado e lançá-las ao mercado.

PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM QUÍMICA EM REDE NACIONAL

A partir de 1º de agosto, estarão abertas as inscrições do processo seletivo para ingresso no Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional, no primeiro semestre de 2020.

O PROFQUI é um programa de pós-graduação, stricto sensu, na modalidade mestrado profissional, que tem como foco proporcionar formação continuada qualificada e atualizada em Química, considerando-se temas de pesquisa, desenvolvimento de produtos e material didático que seja relevante para os professores em pleno exercício da docência no Ensino Médio do país.

Este programa de Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (PROFQUI), tem como sede o  Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, e o Departamento de Química da UFPR como uma das instituições associadas.

 

  • Inscrições: 1º DE AGOSTO A 20 DE SETEMBRO até as 17:00, horário oficial de Brasília
  • Confira o Edital.
  • Para inscrever-se clique AQUI 

Para mais informações: https://profqui.iq.ufrj.br/

Projeto Matematiza recebe estudantes do ensino fundamental nos dias 18 e 19 de julho

Evento organizado pelo Programa de Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Matemática 1 – PIBID, o Matematiza é um projeto de extensão que trabalha com oficinas direcionada a alunos do 8º e 9º ano do ensino fundamental.

O tema a ser trabalhado nesta edição são FRACTAIS, onde serão mostrados alguns aspectos e relações dessa geometria estranha com conteúdos do ensino regular e com a natureza.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas AQUI.

Data: 18 e 19 de julho

Local: Bloco PA das Exatas – UFPR Campus Centro Politécnico

Hora: 13:30 às 17:30

Página no FACEBOOK: https://www.facebook.com/matematiza.ufpr.2017/

 

SIMCAQ: SISTEMA DE SIMULAÇÃO DE CUSTO-ALUNO QUALIDADE DESENVOLVIDO EM PARCERIA ENTRE O C3SL E NuPE

 

Desenvolvido por pesquisadores do Centro de Computação Científica e Software Livre – C3SL e do  Núcleo de Políticas Educacionais – NuPE da UFPR, em conjunto com a Universidade Federal de Goiás, o SIMCAQ é uma plataforma que teve seu projeto inicial no final de 2016 e vem sendo desenvolvida desde então, realiza simulações sobre o CAQ (Custo Aluno Qualidade) usando dados abertos do Ministério da Educação, IBGE e Secretaria do Tesouro Nacional. O projeto foi financiado pelo Ministério da Educação. O sistema ficará disponível ao público a partir de final de junho.

O C3SL mantém cinco bolsistas no projeto. São da graduação, mestrado e doutorado, sendo que os da graduação contemplam os cursos de Ciência da Computação e Design.

 

A plataforma permite simular o montante anual para garantir qualidade, definido pelo CAQ. Consideram que para ofertar uma educação de qualidade, as escolas precisam, por exemplo, oferecer formação continuada aos professores, ter internet, banheiros, quadra de esportes, laboratórios e biblioteca. Precisam ainda ter dinheiro para pagar despesas com conta de luz, água entre outras.

Segundo o professor Thiago Alves, da Universidade Federal de Goiás, “o Estado deve financiar a educação para o povo brasileiro. A educação pública é questão de justiça social, de garantia de direitos”. Para ele, o CAQ, que nunca chegou a ser definido oficialmente, é importante porque “não se pode financiar a educação, sem saber quanto custa.”

O projeto “Simulador de Custo Aluno Qualidade (SimCAQ)” visa a disponibilização gratuita e via internet de um simulador para dar suporte ao processo de elaboração/adequação e monitoramento/avaliação dos Planos Estaduais e Municipais de Educação. O objetivo é a articulação das metas educacionais locais com as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) – Lei 13,005 de 25//06/2014 – e a previsão do montante de recursos financeiros necessários para a oferta da educação básica de qualidade no período dos planos.

 

O C3SL realiza pesquisas sobre integração e desempenho de grande quantidade de dados, o que gerou diferentes resultados utilizados na plataforma, como o Artigo HOTMapper: Historical Open Data Table Mapper. Estes resultados do sistema tem servido de referência para debater valores para investimento na educação básica.

 

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

 

Serviço:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-06/professor-defende-aumentar-em-5-vezes-investimento-em-escolas-publica

I ENCONTRO DE DATA SCIENCE & BIG DATA UFPR

Acontecerá, no próximo dia 28, o 1º Encontro de Data Science & Big Data UPFR, no auditório do Prédio de Administração – Centro Politécnico. O Evento busca reunir alunos, ex-alunos e professores do Programa de Especialização em Data Science & Big Data (DSBD – UFPR), através de assuntos contemporâneos que desenvolvem o tema multidisciplinar da Ciência de Dados.

Aberto e gratuito a comunidade de Curitiba e região, terá a presença do Professor Dr. Francisco Louzada Neto (ICMC-USP) e do Pesquisador Dr. Artur Ziviani (LNCC). Serão mini conferências e estudos de casos apresentados por empresas e consultores da área. Confira a programação completa no site do evento.

O fechamento do evento se dará com uma mesa-redonda e apresentações de pôsteres das monografias dos formandos da turma DSBD 2018-2019.

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

Serviço:

http://dsbd.leg.ufpr.br/evento/

https://coletum.com/pt_BR/account/2742/form/7963/answer/answer-limit

Workshop de Geometria

Nos dias 26, 27 e 28 de junho, no Centro Politécnico, acontece no Anfiteatro-A, do Bloco PC, no Centro Politécnico, o VII Workshop on Poisson Geometry and Related Topics, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Matemática.

O Workshop é um evento nacional que vem acontecendo anualmente desde 2013 e esta é a segunda vez que o mesmo é organizado nas dependências da nossa universidade. O evento representa o sucesso da implantação da área de Geometria de Poisson no Brasil, que hoje é um dos líderes mundiais.

 

Nesta edição teremos 12 palestrantes e seção de pôster, além dos já quase 40 participantes inscritos. A programação completa, assim como os resumos das palestras, podem ser obtidas no link: https://sites.google.com/view/poisson-geometry/workshop/workshop-2019/program.

 

veja um pouco desta história aqui: https://sites.google.com/view/poisson-geometry/workshop

Plantões de acolhimento do projeto PermaneSENDO no Setor de Ciências Exatas

O projeto de extensão PermaneSENDO  agora tem plantão de acolhimento junto ao Setor de Ciências Exatas.

Desde o mês de maio de 2019, todas as terças-feiras, das 8h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30, estudantes de graduação e pós-graduação da UFPR terão um espaço de acolhimento feito por colegas do curso de Psicologia da instituição. O aluno pode pedir pelo acolhimento quantas vezes quiser  e não é necessário agendamento prévio.

Os encontros são na sala PermaneSENDO – localizada no 1º andar, ao lado dos elevadores, do prédio da Exatas, no Centro Politécnico.

O acolhimento consiste em uma conversa, em que há um ambiente propício para que o aluno compartilhe suas dificuldades. A intenção é ajudar o estudante a encontrar soluções, tornando a estadia na universidade um tempo mais confortável e de boas experiências.

O projeto desenvolve diferentes práticas de parcerias entre estudantes, como oficinas de leitura, grupos de discussão, grupos de estudo, rodas de conversa, apoio psicopedagógico e apadrinhamentos, de acordo com as necessidades de cada curso.

“O estudante pode trazer o assunto que quiser. Nossa missão é verificar em que a universidade interfere naquele problema. Uma das estratégias para solução pode ser uma terapia, e aí informamos onde ele pode buscar aprofundamento”, esclarece a professora Roberta Kafrouni, do Departamento de Psicologia, coordenadora do projeto.

O PermaneSENDO existe desde 2012 e tem o objetivo de auxiliar na permanência do aluno na universidade, visando uma maior qualidade de sua trajetória acadêmica. “Constata-se que a vida acadêmica, não raro, acarreta sofrimento psíquico nos discentes, afetando-os emocional e cognitivamente”, destaca a docente.

Horário: Terças-feiras, das 08h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30
Local: sala PermaneSENDO –  localizada no 1º andar, ao lado dos elevadores, do prédio do Setor de Exatas, no Centro Politécnico
Informações: 3361-1549 e www.facebook.com/PermaneSENDO/ permanesendo@gmail.com

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROMOVE CURSO DE APLICAÇÕES DE CATEGORIAS DERIVADAS

O Programa de Pós-Graduação em Matemática da UFPR promove, de 01 a 12 de julho de 2019, o curso Derived categories and applications, que será ministrado pelo Professor Patrick Le Meur, da Université Paris Diderot.

O propósito do curso é introduzir o conceito de categoria derivada junto com a teoria padrão anexada a ele, apresentar classes de exemplos para os quais uma descrição precisa é acessível e discutir várias aplicações em álgebra e geometria. O cuso contará com aspectos clássicos da teoria e desenvolvimentos recentes relacionados à teoria da representação de álgebras de dimensão finita.

As aulas serão ministradas em inglês e terá certificação de 20 horas.

A inscrição é gratuita, pode ser feita através do link : http://www.mat.ufpr.br/eventos/winter2019/

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

Data: 01/07 à 12/07

Horário: 10 às 12h
Local: Centro Politécnico – UFPR
Sala PA07 – andar térreo do prédio da Exatas

OLIMPÍADA PARANAENSE DA MATEMÁTICA 2019

Desenvolvida pelo Departamento de Matemática e direcionada aos estudantes de 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e aos alunos do Ensino Médio das escolas das redes pública e privada do estado do Paraná, a Olimpíada Paranaense de Matemática já tem data marcada, a primeira fase acontecerá em 14/06/2019.

Com o objetivo e identificar e incentivar jovens talentos durante o ensino básico, a OPRM promove a inclusão social por meio da difusão do conhecimento no estado do Paraná.

As provas possuirão três níveis de acordo com a escolaridade e idade do aluno. O regulamento pode ser encontrado aqui.

Maiores informações:

http://www.mat.ufpr.br/oprm/index.html

Secretário: Marcos Sirineu Kondageski

Email: oprm.ufpr@gmail.com

Telefone: (41) 3361-3591

Horário de atendimento: Das 8:00 às 12:00

 

GRUPO DE PESQUISA HiPES É CONTEMPLADO EM PRIMEIRA ETAPA

 

O Cientista da Computação Marco Antonio Zanata Alves, professor do Departamento de Informática, foi um dos primeiros pesquisadores grantees anunciados pelo Instituto Serrapilheira. Os contemplados receberam nessa etapa R$ 100 mil de investimento e um novo financiamento para investir em seus projetos pelos próximos três anos, com flexibilidade no emprego de recursos. Na próxima etapa o apoio renovado poderá chegar até R$ 1 milhão, cada um.

 

O projeto Memórias inteligentes eficientes para computação intensiva de dados, desenvolvido pelo grupo de pesquisa HiPES ( High Performance and Efficient Systems) tem como objetivo da investigação unir a capacidade dos processadores, que conseguem efetuar diversas operações lógicas e aritméticas, à capacidade das memórias, que armazenam extensos volumes de dados. Buscando assim criar memórias inteligentes com essas duas funções, de modo a melhorar o desempenho da computação e reduzir o consumo de energia.

 

Segundo o Instituto Serrapilheira, os projetos apoiados buscam responder a grandes questões de suas áreas do conhecimento. Apoiando pesquisas ousadas, ainda envolvam algum risco, contudo procura dar liberdade demandada pela atividade científica, a fim de que os cientistas possam desenvolver seus projetos em longo prazo. O princípio do instituto é concentrar recursos em poucos projetos, mas com forte potencial em investigações que apostam no desenvolvimento de uma ciência internacionalmente competitiva.

 

“Queremos investir em mentes criativas e produtivas porque temos a convicção absoluta de que o conhecimento é um valor fundamental”, afirma o diretor-presidente do Serrapilheira, Hugo Aguilaniu.

 

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

 


Serviço:

https://serrapilheira.org/com-investimento-de-r-12-milhoes-serrapilheira-renova-apoio-a-pesquisadores/

 

UM DIA NA MATEMÁTICA 2019

 

No dia 05 de junho de 2019, no campus Centro Politécnico, ocorrerá o evento “UM DIA NA MATEMATICA 2019”, promovido pelo PET Matemática e com o apoio do Departamento e da Coordenação do Curso de Matemática.

O evento é voltado para alunos do ensino médio que possuam interesse em conhecer como funciona o curso de matemática, as áreas de trabalho e o dia-a-dia na universidade. Serão ministradas palestras, por professores e alunos do curso, com o objetivo de preparar os interessados para uma escolha mais segura a respeito da carreira que escolherão seguir.

 

A programação e inscrições podem ser feitas através do site: http://www.petmatematica.ufpr.br/um_dia_na_matematica.html

PENSAMENTO COMPUTACIONAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Com o intuito de promover ações no âmbito da contribuição social, o Prof. Roberto Pereira, do Departamento de Informática, coordena o Projeto de Extensão “Computando o Meu Contexto” que tem como objetivo promover o desenvolvimento do Pensamento Computacional em públicos de contextos desafiadores. Pensamento Computacional pode ser brevemente entendido como a habilidade de resolver problemas, desenhar sistemas e entender o comportamento humano com base em conceitos da ciência da computação.
As ações do projeto têm sido conduzidas com o apoio de alunos da Graduação e Pós-Graduação do Departamento de Informática, produzindo resultados em diferentes contextos. Atualmente, o mestrando Ermelindo Schultz coordena uma linha que atua em Centros da Juventude do Município de Pinhais e em Centros de Referência de Assistência Social, e a mestranda Júlia Bathke Ortiz coordena a linha que atua na Educação de Jovens e Adultos (EJA), contando com o apoio da doutoranda Carolina Moreira e do mestrando Deógenes Júnior.
Em 2018, a linha de atuação na EJA efetivou-se através de uma série de workshops com professoras, alunas e alunos em uma parceria estabelecida com a Escola Municipal Rachel Mader Gonçalves, localizada no bairro Uberaba de Curitiba.
Inicialmente, foram propostos quatro workshops com o intuito de “quebrar a barreira” para o uso da tecnologia, de modo a engajar os alunos e alunas, promovendo a sua familiaridade com questões da vida cotidiana mediada pelas tecnologias de informação e comunicação. Com atividades construtivas e conduzidas de modo a fazer sentido para os participantes, cada workshop foi planejado e conduzido de forma auto-contida, permitindo a participação pontual, e ao mesmo tempo articulada, de modo que os resultados de um workshop apoiavam o planejamento e condução do workshop seguinte.
Informados por uma abordagem socialmente consciente, os workshops visaram promover a inclusão e autonomia dos alunos e alunas da EJA com atividades que fizessem sentido para sua realidade. Assim, a familiaridade com diferentes tecnologias foi promovida em atividades para tirar fotos com celulares (selfies), participar de videochamadas, procurar videos na Internet, utilizar a urna eletrônica, entre outros. Habilidades de pensamento algorítimico, abstração e reconhecimento de padrões, foram trabalhadas nessas atividades com o intuito de promover o desenvolvimento de uma cultura digital com as pessoas participantes.
Foram práticas desenvolvidas para quebrar a barreira da rejeição ao aparelho celular e também ao computador. Por esta questão, foi preciso fazer atividades que  engajassem os participantes por serem práticas do dia-a-dia e que fizessem sentido a eles, como tirar uma foto num almoço de família, ou tirar uma selfie. Isso vai promovendo esta quebra de barreira de que a tecnologia não é para mim, eu não posso por a mão para usar”. Explica a mestranda Júlia.
Os resultados dos workshops foram tão positivos que, a pedido das alunas, alunos e professoras, a série foi estendida para oito workshops. Para 2019, um nova temporada está sendo planejada para a continuidade das atividades. O objetivo é que o projeto se estenda até que tenha conseguido promover a inclusão plena dos alunos e alunas no entendimento e uso de tecnologias de informação e comunicação, favorecendo o exercício da cidadania.

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

Foto: participantes do Workshop 5 na Escola Municipal Rachel Mader Gonçalves